Adentro Datacenter Solutions

X

 

No início deste ano, 17 países africanos apresentaram seu progresso no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ou ODS, nas Nações Unidas. Houve boas notícias e progresso. Mas está claro que intervenções radicais ainda são necessárias para que os países do continente atinjam essas ambiciosas metas de desenvolvimento global.

 


Os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) para 2030 da Organização das Nações Unidas – ONU.

 

A tecnologia será fundamental em qualquer uma dessas intervenções. Dobrar a produtividade agrícola (Meta 2), reduzir pela metade as mortes nas estradas (Meta 3), aumentar a eficiência da água (Meta 6), dobrar a taxa de melhoria da energia (Meta 7) e reduzir pela metade o desperdício de alimentos (Meta 12), entre outros, parece impossível. sem inovações revolucionárias e melhorias drásticas em eficiência.

A computação em nuvem – o fornecimento de sofisticados recursos de tecnologia da informação pela Internet – pode desempenhar um papel crucial na inovação e na eficiência.

O que é especialmente útil sobre a computação em nuvem é que as empresas ou organizações não precisam possuir infraestrutura ou datacenters. Ao invés disso, eles podem alugar acesso a armazenamento e aplicativos, entre outros, de um provedor de serviços em nuvem. Isso permite que eles obtenham acesso a recursos sofisticados sob demanda. E eles não precisam gastar muito dinheiro construindo e mantendo a infraestrutura de TI no local.

Mas liberar o potencial de desenvolvimento da computação em nuvem não acontecerá automaticamente. Em uma publicação recente do SDG Hub da África do Sul na Universidade de Pretória, eu argumentei que quatro fundamentos devem estar em vigor antes que a computação em nuvem possa realmente ser aproveitada para impulsionar o desenvolvimento.

Esses quatro são desenvolvimento de habilidades; políticas adequadas; medidas de segurança para manter os dados privados e seguros; e infraestrutura eficaz. Se os países africanos conseguirem acertar esses fundamentos, a computação em nuvem pode se tornar um poderoso aliado na busca pelo desenvolvimento sustentável. Mas isso exigirá uma variedade de questões complexas, desde a regulamentação da privacidade de dados até o fornecimento confiável de eletricidade.

 

Computação em nuvem em ação

Os recursos de computação fornecidos pela nuvem já estão sendo usados ​​em algumas partes do mundo de maneiras que se encaixam nos requisitos dos ODS.

Por exemplo, a Watson Decision Platform da IBM está ajudando os agricultores no Brasil e na Índia a tomar decisões mais informadas sobre o que e quando plantar com dados que prevêem o rendimento das culturas. Por meio do Health Map, as informações fornecidas pela nuvem também estão possibilitando o monitoramento e a resposta a surtos de doenças. A LifeQ está usando a nuvem para aproveitar dados e promover estilos de vida mais saudáveis ​​em toda a África.

No setor bancário, bancos como o HSBC estão usando a nuvem para detectar lavagem de dinheiro, o que está alinhado com a meta 16. Na Nigéria, a Interswitch está usando a nuvem para ajudar pequenas empresas a acessar o financiamento de projetos mais rapidamente, o que é uma parte essencial da meta 17 A JUMO está usando a nuvem para aumentar o acesso ao dinheiro em aplicativos móveis em toda a África.

Já existem vários projetos de computação em nuvem no continente africano que estão sendo usados ​​para levar os países a atingir alguns objetivos. Um relatório recente da Microsoft mostra um projeto da MTN Uganda que usa software biométrico de voz para lidar com redefinições de PIN.

A Tencent Africa está usando a nuvem para superar suas próprias restrições de infraestrutura e, dessa forma, ser capaz de melhorar a velocidade de seus serviços.

 

Data Centers

O terreno já está sendo estabelecidas para que os serviços de computação em nuvem se tornem onipresentes em algumas partes da África.

Um exemplo é a recente abertura dos primeiros data centers de computação em nuvem do continente em duas cidades da África do Sul pela Microsoft. Outra é que a Amazon Web Services planeja abrir um datacenter na Cidade do Cabo em 2020. A localização dos datacenters influencia a eficiência na movimentação de dados pela rede. Os data centers localizados na África melhorarão significativamente a velocidade com a qual os recursos da nuvem podem ser acessados.

Os serviços fornecidos por empresas globais também existem na Nigéria, Quênia e Gana, entre outros.

Mas os data centers físicos por si só não serão suficientes. Um planejamento completo e realinhamento de políticas também são cruciais.

 

Elementos cruciais

Estes são os quatro fundamentos que devem estar em vigor para que a computação em nuvem realmente desempenhe um papel valioso na promoção do desenvolvimento sustentável nos países africanos.

  • Desenvolvimento de habilidades: é necessário um investimento que melhore as habilidades existentes dos funcionários ou uma readequação completa daqueles cujas descrições de cargo mudarão devido à introdução de serviços de computação em nuvem. O setor de treinamento e escolas técnicas, em grande parte subutilizados na África, são ideais para isso.

Essas habilidades são normalmente descritas como “habilidades digitais”, um termo bastante confuso que abrange tudo, desde operar e manter a infraestrutura em nuvem até integrar a nuvem à infraestrutura de TI existente e usar a nuvem para inovar.

  • Política: deve haver uma integração de ciência, tecnologia e inovação ao longo do ciclo de planejamento de políticas. Como? A estratégia de ciência, tecnologia e inovação da União Africana fornece algumas orientações úteis. Simplificando: as políticas devem permitir, em vez de restringir, o desenvolvimento e a adoção de novas tecnologias.
  • Garantias que protejam a privacidade e a segurança de todos os dados: A computação em nuvem depende em grande parte do fluxo de dados livre, porém regulamentado. Mas o fluxo livre de dados só é viável se sua privacidade e segurança forem asseguradas.

 


Grupo de crianças em uma escola do Quênia, ao leste da África.

 

A Argentina, juntamente com muitos outros países, só permite transferências de dados pessoais entre países para países com leis de proteção de dados semelhantes. No entanto, a lei foi aprovada em 2000 e muito avançou desde então. Não está claro, por exemplo, se a lei é aplicável a servidores com base fora da Argentina. Segundo a lei de proteção de dados da Espanha, os servidores com sede na Espanha, mas localizados fora de suas fronteiras, precisam ser registrados na Espanha e estão sujeitos à lei espanhola. Os países africanos devem lidar com essas nuances da lei.

  • Aquisição de infraestrutura a preço acessível e confiável à Internet e eletricidade. O acesso universal e acessível à Internet e à energia é priorizado nos ODS. Sem os investimentos necessários em infraestrutura, é improvável que o impacto da ciência, tecnologia e inovação seja transformador. A maioria dos países africanos fica para trás neste quesito, portanto é necessária intervenção.

 

Traduzido e adaptado de Tech Financials: reliable tech news. Cloud Computing Could be Key to Speeding up Africa’s Development. FOURIE, Willem. Disponível em: <https://techfinancials.co.za/2019/08/29/cloud-computing-could-be-key-to-speeding-up-africas-development/> Acesso em 2 de Setembro de 2019.

(Procurando backup em cloud? Clique aqui!)

deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


           Associado Abrahosting

Contatos

Métodos de pagamento

               Cartões de crédito